quinta-feira, 25 de abril de 2019

45 anos de abril

Para celebrar os 45 anos da revolução dos cravos, propomos o seguinte poema declamado durante o almoço ocorrido em Oliveira de Azeméis para as mais de 80 pessoas presentes.



Alvíssaras


É Noite e há Luz
Como um brilho que a todos seduz.
Há compasso, trotes de marchar
Há sonhos, quimeras ao raiar. 
Quantos sois? Não sei dizer!
Há vivas ao que queríeis ser
E a passo largo, todos vão
Batendo as botas em união.
Que saudade é essa, doce povo,
Que assim tragam o Estado Novo?
Há a mão, punho, ferro e fogo
Deste país que não se quer outro.
Há vontades, sigilos, lupanares de recobro
Desejos de um “solo” povo novo.
E dão-se vivas ao viver
Quando não há o que comer.


(PS, 24 abril, 2012)

Sem comentários:

Enviar um comentário